Mulher é morta a facadas na frente do filho bebê no Dia das mães


Assassinato de Emanuele, de 22 anos, em Rio Largo, AL, está sendo tratado como feminicídio (Foto: Reprodução/TV Gazeta)

Em pleno domingo das mães, Emanuele Rafaela da Silva Pinto, de 22 anos, foi morta a facadas dentro de casa na frente do filho, um bebê de dez meses. O crime aconteceu no conjunto Antônio Lins, em Rio Largo, na região metropolitana de Maceió. A Polícia Civil trata o caso como feminicídio. Um dos dois suspeitos era ex-companheiro da vítima e tinha um filho de seis anos com ela.

Dados da Polícia Civil de Alagoas mostram que de janeiro de 2015 a abril de 2019, foram registrados 177 feminicídios. Destes, 89 foram esclarecidos.

De acordo com a polícia, o sangue espalhado pelo imóvel indica que a vítima deve ter lutado com o assassino enquanto era esfaqueada.

Os gritos de Emanuele foram ouvidos por testemunhas, que não quiseram se identificar.

“Eu escutei os gritos dela. Pedia socorro”, disse uma.

“Boa pessoa. Muito boa”, disse outra testemunha.

Ainda no domingo, policiais da Delegacia de Homicídios da Capital estiveram no local do crime para tentar prender o assassino em flagrante, mas não conseguiram. O relatório da ocorrência foi encaminhado para a Delegacia de Homicídios de Rio Largo.

O delegado responsável pelo caso, Lucimério Campos, já está investigando o crime, que está sendo tratado como feminicídio.

“Nesse relatório preliminar nos foram encaminhadas duas fotografias dos eventuais suspeitos do crime. Um desses suspeitos é ex-companheiro da vítima, com quem ela tem um filho de seis anos. Ele estava acompanhando de um outro indivíduo. Eles teriam cometido o crime por circunstâncias que nós ainda estamos apurando”, disse o delegado.

Ele também disse que a população pode ajudar a polícia a chegar aos suspeitos.

“A população sabendo do paradeiro desses indivíduos pode nos informar por meio do 181, o anonimato é garantido, para que a Segurança Pública possa cumprir os mandados de prisão”, explicou o delegado Lucimério Campos.

A Polícia Civil de Alagoas intensificou o combate ao feminicídio em Alagoas com a criação de uma força-tarefa.

“Essa força-tarefa foi criada para dar a resposta mais rápido possível. E dessa forma mostrar que o crime de feminicídio não vai ficar impune”, destacou o delegado.

Fonte: G1

 

Comentar

Seu endereço de email não será publicado.Campos marcados são obrigatórios *

*