Homicídios a bala em Milagres e por espancamento em Mauriti esta manhã

10

Corpo de João Vitor foi encontrado nesse beco perto de uma mercearia em Milagres (Foto: Reprodução/Google Street View)
Dois homicídios aconteceram num intervalo de duas horas na manhã desta segunda-feira nos municípios de Milagres e Mauriti. No primeiro, por volta das 6 horas, foi encontrado o corpo do jovem João Vitor Leite Moreira, de 19 anos, que residia na Travessa Priscila Bezerra Conjunto Habitar. O mesmo apresentava uma perfuração supostamente à bala entrando no pescoço e saindo na boca e o cadáver estava num beco entre as ruas Dona Priscila Bezerra e Artista Raimundo Hélio daquele conjunto.

A mãe de João Vítor disse ter ouvido estampidos de arma de fogo durante a madrugada, mas não lembrava a hora e o corpo da vítima, que não tinha passagens pela polícia, foi encontrado pelo seu irmão. Trata-se do primeiro homicídio do mês de julho em Milagres e o oitavo do ano no município ou 75% em relação aos oito assassinatos registrados no decorrer do ano passado.

MAURITI – Por volta das 8 horas morreu em um dos leitos do Hospital Regional do Cariri em Juazeiro o aposentado José Ferreira de Albuquerque, de 62 anos, apelidado por “Errado” que morava no Distrito de Palestina em Mauriti. Ele era alcoólatra e, na última terça-feira (03), foi vítima de espancamento naquela localidade quando terminou socorrido em estado grave ao HRC com traumatismo craniano. O mesmo respondeu TCO (Termo Circunstanciado de Ocorrência) por contravenção penal há oito anos.

Segundo o Soldado Marco Antonio, que esteve na ocorrência, o acusado identificado como “Renato Tatuado”, ali residente, disse que apenas o empurrou pelo fato dele estar mostrando os órgãos genitais e este caiu batendo com a cabeça no solo. Ele continua preso e responde ainda procedimentos por tráfico e associação para o tráfico de drogas. Foi o primeiro homicídio de julho em Mauriti e o 10º do ano no município ou 77% em relação aos 13 assassinatos registrados no ano passado.

Por Demontier Tenório
Miséria.com.br

SEM COMENTÁRIO